|
porCésar Neto
fontePlataforma
a 25 MAR 2013

Ciclo de Cinema Direitos e Desenvolvimento: “Mulheres Africanas – A Rede Invisível”

No passado dia 21 de Março teve lugar, no auditório da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a exibição do filme “Mulheres Africanas – A Rede Invisível”, do realizador brasileiro Carlos Nascimbeni. A sessão contou com sala cheia.

Este documentário apresenta a trajectória de lutas e conquistas históricas das mulheres africanas em diferentes países do continente. São retratadas não apenas mulheres líderes que se têm destacado em diferentes áreas, mas também as mulheres comuns, igualmente corajosas e vitoriosas nas suas lutas do dia-a-dia. Conta com depoimentos de grandes líderes como Graça Machel, Leymah Gbowee, Sara Masasi, Nadine Gordimer e Luisa Diogo.

A projecção serviu de pretexto para um debate sobre a questão dos Direitos das Mulheres e da posição das Mulheres em África, e contou com a presença de Daniel Almeida, representante da ONU Mulheres e Manuel Lapão, Direcção de Cooperação da CPLP e foi moderado por Júlia Galvão Alhinho, Responsável pela Comunicação para Portugal do UNRIC.

Daniel começou por apresentar a ONU Mulher, antes de referir que neste filme são visíveis vários problemas da sociedade, como a relação entre o urbano e o real e ainda a questão da violência de género. Realçou ainda a questão da mutilação genital feminina, prática que não é reconhecida por nenhuma religião, logo é algo que não tem qualquer justificação e que deve acabar.

Manuel Lapão referiu que é preciso muito trabalho dos estados para resolvermos os problemas que as mulheres enfrentam. Referindo-se ao trabalho da CPLP, referiu que a Direcção da Cooperação da CPLP tem 12 dossiers e todos estão relacionados com os Direitos Humanos.

As questões da igualdade de género e os direitos das mulheres têm estado na agenda da CPLP e neste momento existe mesmo um plano estratégico para a igualdade de género e empoderamento das mulheres que foi assinado por todos os membros em 2010. É um plano muito ambicioso e a comunidade tem países com realidades muito assimétricas, logo passar das palavras aos actos é mais complicado. O plano foi demasiado ambicioso e neste momento a ideia passa por reduzir o plano a algumas medidas executáveis, e garantir que pelo menos algumas acções são concretizadas.

No entanto, está já confirmada a realização de uma campanha de consciencialização sobre a violência contra as mulheres, uma iniciativa que vai ter lugar ao mesmo tempo em todos os estados-membro da CPLP. Terminou referindo a importância de trabalhar estas questões junto dos homens.

O debate contou ainda com a participação activa de muitos dos espectadores.

Esta foi a décima sessão do Ciclo de Cinema “Cine-ONU / Direitos e Desenvolvimento”, organizado pela Plataforma Portuguesa das ONGD em parceria com o UNRIC e com o apoio da CPLP.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
2017
2016
2015
2014
2013
2012
2011
2010