|
a 21 JUL 2011

A ADRA responde à crise humanitária do Leste de África

Milhares de pessoas deslocam-se para os campos de deslocados em busca de comida, água e esperança

Mais de 10 milhões de pessoas na África Oriental estão com uma necessidade premente de ajuda humanitária, em resultado da diminuição dos recursos alimentares, resultante da subida recente dos preços dos alimentos e da seca severa que assola a região. A ADRA Portugal está a responder em parceria com a Rede Internacional da ADRA, fornecendo água potável, alimentos e bens de primeira necessidade a algumas das pessoas mais vulneráveis dentre as que foram afectadas.
 
O Escritório Regional da ADRA iniciou uma intervenção multifacetada na Etiópia, no Quénia, na Somália e no Uganda, a fim de combater as altas taxas de má nutrição e de proteger a população afectada pela ameaça de disseminação de doenças relacionadas com o consumo de água de má qualidade. Um número estimado de 85.000 pessoas será beneficiado directamente por esta acção.
 
Na Somália, a ADRA está a fornecer água potável através do transporte de tanques de água em camiões para algumas zonas com alto risco de insegurança. Complementarmente, a ADRA está a reparar poços e a reabilitar fontes de água em localizações estratégicas, maximizando o número de indivíduos que podem beneficiar destas reparações. Num esforço para proteger a população de deslocados contra a disseminação de doenças, a ADRA está ainda a construir latrinas nos seus campos de abrigo. Estão também a ser distribuídos, pelos beneficiários, bens não alimentares essenciais, como plásticos para construir abrigos, pequenos colchões, cobertores, redes mosquiteiras, recipientes de água, utensílios domésticos e pastilhas de cloro para a purificação da água.
 
A Região Ocidental da Etiópia está a ser afectada por uma seca prolongada que se tornou num grave problema para as comunidades pastorícias que dependem inteiramente do seu gado para o seu sustento. Juntamente com uma resposta de emergência que inclui o transporte de água e a distribuição de bens não alimentares de primeira necessidade, a ADRA providenciará também alimento para o gado e assistência veterinária para proteger os bens das comunidades rurais. Através desta intervenção, a ADRA está a ajudar a manter o sustento de milhares de indivíduos que estão dependentes dos seus valiosos animais.
 
O Quénia está a viver a sua mais alta taxa de má nutrição aguda desde 2003, sendo a principal causa deste facto o aumento do preço dos alimentos em 25%, ocorrido entre Janeiro e Abril deste ano. Bens alimentares básicos como o milho e o feijão deixaram de estar acessíveis à esmagadora maioria da população, uma vez que estão extremamente caros. Com o objectivo de evitar a generalização da fome, a ADRA está a fornecer cabazes alimentares a 800 lares, com a disponibilização de alimentação especial para as mulheres grávidas e que estão a amamentar, e uma porção reforçada às crianças malnutridas. Para se assegurar que os residentes das áreas afectadas têm acesso a água potável, a ADRA está a perfurar quatro poços em diferentes comunidades e a tornar a água prontamente disponível através do seu transporte por camiões.
 
No Uganda, centenas de milhares de pessoas estão em perigo de fome severa e a viver com níveis perigosamente baixos de água. A resposta da ADRA neste país está planeada para responder à crítica deficiência de níveis nutricionais, fornecendo alimentos, água e bens essenciais a 55.000 beneficiários na região nordeste de Karamoja.
 
Durante os passados 12 meses, as estações de chuva falharam em algumas áreas do Djibuti, da Etiópia, do Quénia, da Somália e do Uganda, fazendo com que a região do Leste de África esteja a viver o ano mais seco desde 1951. A chegada tardia das chuvas sazonais foi insuficiente, já que a precipitação foi apenas de menos de um terço que o normal, deixando as terras de pastagem ressequidas e colocando em perigo a vida das populações e dos seus animais, com insuficientes níveis de água para consumo. Conjugando este facto com o aumento dos preços dos alimentos, os níveis de fome e as taxas de má nutrição cresceram cinco vezes mais estando actualmente numa situação de emergência. Das cerca de 10 milhões de pessoas que necessitam de assistência, mais de metade são crianças.
 
A ADRA Portugal está a apoiar esta acção humanitária e já desbloqueou uma verba inicial no valor de 6,000 dólares (cerca de 4.500€), tendo uma conta aberta* para angariação de donativos, que contribuirão para a resposta de emergência das equipas da ADRA que actuam no terreno. 
   
Mais informações em www.adra.org.pt ou no Facebook "ADRA Portugal" (em português).
  
* A ADRA Portugal abriu a conta com o NIB 0046 0017 00600031123 74 para recolher donativos especificamente para a resposta às vítimas desta catástrofe. Os donativos têm uma majoração de 130% nas deduções fiscais. Os comprovativos de depósito ou transferência devem ser enviados para a ADRA com indicação do nome, morada e número de contribuinte para envio do respectivo recibo.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
2019
2018
2017
2016
2015
2014
2013
2012
2011
2010