|
porAna Filipa Oliveira
fontePlataforma ONGD
a 18 JUL 2015

Reacção da Sociedade Civil ao acordo de Adis Abeba: “Estamos perante uma crise do multilateralismo”

A Sociedade Civil, enquanto reconhecido actor de Desenvolvimento, participou nas negociações sobre o futuro do Financiamento para o Desenvolvimento que culminou na conferência da passada semana em Adis Abeba, Etiópia. Perante os impasses e o decurso das negociações, representantes da sociedade civil afirmaram, em conferência de imprensa no final do encontro, que estamos perante uma “crise do multilateralismo” e que este documento “não reflecte o mundo de hoje”.

“Qualquer que seja a plataforma de diálogo, este tem sido encetada à porta fechada, de acordo com métodos pouco transparentes”, afirmou uma das porta-vozes do Fórum da Sociedade Civil.

O que assistimos em Adis Abeba, de acordo com a Sociedade Civil que participou nas negociações, é que os países desenvolvidos não estão dispostos a democratizar as plataformas de diálogo multilateral, como as Nações Unidas. Um dos claros exemplos deste pouco reconhecimento dos países em desenvolvimento foi a não adopção do Corpo Intergovernamental para Assuntos Fiscais nas Nações Unidas, onde poderiam discutir em pé de igualdade as reformas fiscais necessárias para uma maior eficácia da mobilização de recursos domésticos.

De acordo com a Agenda para a Acção de Adis Abeba, aprovada no último dia da Conferência, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, bem como o Fundo Monetário Internacional, continuarão a desempenhar esse papel em matéria tributária, reforçando porém a cooperação e a capacitação dos países em desenvolvimento, nomeadamente através da iniciativa Tax Inspectors without Borders.

Assista abaixo à conferência de imprensa do Fórum Sociedade Civil, com o balanço da semana de negociações em Adis Abeba.

 

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
2017
2016
2015
2014
2013
2012
2011
2010